02/07/08

XV


o silêncio que agora se mira
no espelho dos teus lábios
trouxe-me ao mundo

porta para outra vereda
que me recolherá na morte
- minha mãe -

devo ser a luz de um sonho antepassado
os dias que viajam em vertigem




Maria Costa

4 comentários:

mariah disse...

... pérolas ...

mariah

inatingivel disse...

os distintos tempos que experimentamos são materializações de luz sólida.

sempre que as luzes que se pertencem se reencontram, supernovas nascem no universo.

Vós sois ondas de luz!

gabriela rocha martins disse...

ternura

qb

[retiro.me em silêncio
absoluto]


.
um beijo

Amélia disse...

Tenho gostado muito de a visitar - boa poesia a sua! Também gostei de a ler no nº13 de DiVersos...e na nossa lista, claro.Esta série de poemas numerados vai ter um t+itulo comum?

beijo amigo