31/12/08

XXXII


hálito de ruína
no perfil da paisagem dividida

assim se impõe o tempo
lento
sem voz
abrindo-se à terra

Maria Costa

2 comentários:

d'Angelo disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
d'Angelo disse...

Delicado modo de expressar a fugacidade de tudo neste jardim de sonhos onde até os espinhos da existência ao virem à tona estão envoltos em beleza.