11/01/09

XXXV


escrevo deste país estrangeiro
do supremo instante das horas em que o mundo
morre de sombra

em ambas as margens do caminho
que faremos com os pássaros?

talvez os deixemos voar e percorrer a casa

com as mãos
sem extremos para o amor


Maria Costa

2 comentários:

Helena disse...

Escreves com as palavras em extremos de beleza!

adelaide amorim disse...

É sempre uma inspiração vir aqui, Maria. Beijos.