23/01/09

XXXVIII


um caminhante pela beira
outonal da água

canta de novo o amor

enquanto o tempo é tecido
à direita dos relógios



Maria Costa

7 comentários:

D. disse...

Obrigada por sua visita.

Lindo lugar.


D.

maria disse...

Porque o tempo dos homens não comanda o coração da vida...
Tão simples e tão intenso o seu poema...
Gostei de vir até aqui
Um beijo

maria m. disse...

belíssimo poema.

gabriela rocha martins disse...

tão belo


.
um beijo

pin gente disse...

tão bonito

e se a tecedeira fizer e desfizer
e se o amor seguir
e se o tempo parar
esse caminheiro não pára de cantar


um beijo
luísa


ps - tinha saudades

Luis Enrique disse...

belíssimo Maria ! obrigada pela invitação, vai ser minha visita constante.

Bjs

Luis Enrique disse...

Disculpe repetir-me no comentario mas acho este poema MARAVILHOSO ! pequeno mas diz tantas e maravilhosas coisas. Adorei !